Na maioria das vezes, padarias são organismos complexos, verdadeiras indústrias de panificação. São diversos equipamentos, inclusive aqueles abastecidos a gás GLP, como fornos de panificação, fornos combinados, fogões, fritadeiras, char-broilers, entre outras máquinas. Independentemente  de estar abrindo uma padaria ou renovando sua cozinha industrial, a escolha do financiamento é sempre uma decisão importante. Como financiar equipamentos para padaria? Separamos algumas dicas que podem te ajudar a escolher o financiamento mais adequado para seu negócio. Confira!

Equipamentos para padaria: cuidados pré-financiamento

Qualquer compra de equipamentos para padaria precisa estar prevista no seu plano de negócios. O que pode ser pago à vista? Quanto pode ser pago mensalmente? Vai usar seu faturamento? Qual o percentual do caixa a ser destinado?

Realismo e controle são palavras-chave para qualquer investimento. “O empresário precisa ter em mente o melhor e o pior cenário para os seus negócios. É preciso conservar seu capital de giro e não depender apenas do fluxo de caixa para pagar”, diz Alice Navarro, consultora de negócios em gastronomia.

A partir da avaliação desses cenários, é necessário calcular o valor de entrada, os juros e o número de parcelas. Não há fórmulas prontas. “Tem que fazer muita conta. O parcelamento pode ser uma boa saída se a taxa de juros for baixa e as parcelas couberem no seu orçamento, sem que você perca a liquidez. Há empreendedores que preferem parcelar uma parte do maquinário e aplicar o restante do capital”, afirma Alice.

Veja também:

Conheça a parceria da Panetteria ZN com a Ultragaz
O que as padarias mais valorizam num fornecedor de gás?

Quais as opções de financiamento? 

Há diversas opções para financiar equipamentos para padaria. A taxa de juros precisa sempre ser avaliada. Geralmente, bancos públicos como Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES oferecem juros mais baixos, exigindo os próprios equipamentos como garantia.  

Há também a possibilidade de financiar direto com a fabricante de equipamentos. Confira a seguir os tipos de financiamento de equipamentos para padaria mais comuns e suas características!

Financiamento direto com a fabricante

Os fabricantes costumam oferecer linhas próprias de financiamento. Consulte diretamente com o representante de vendas da sua cidade e aproveite este canal direto para negociar um bom acordo positivo para as duas partes.

Cartão BNDES 

Geralmente são feitos em até 48 vezes e cobrem até 100% do valor do projeto. As taxas são informadas mensalmente no site do BNDES.  Solicite o seu cartão, veja os tutoriais e faça uma simulação online de financiamento e equipamentos para padaria.

FINAME

Esta é uma modalidade muito procurada para quem quer comprar equipamentos para padaria. O BNDES tem esta opção específica para micro, pequenas e médias empresas e empreendedores individuais, que pode chegar a até 100% do valor total dos bens adquiridos. Mas, atenção: este tipo de financiamento é válido somente para equipamentos para padaria fabricados no Brasil. As taxas, porém, são estabelecidas diretamente pelos bancos, sejam privados ou públicos. Consulte o seu gerente bancário e conheça as taxas do seu banco. Caixa Econômica Federal Banco do Brasil costumam ter oferecer essas opções.

PROGER

Esta opção é voltada para quem quer financiar projetos de investimentos com ou sem capital de giro associado, para micro, pequenas e médias empresas com faturamento anual de até R$ 7.500.000,00, que visem a geração de emprego e renda.

O valor total do financiamento pode chegar a 80% do projeto. A parcela de capital de giro associado não poderá ser superior a 50% do valor total do projeto. Até 06 anos (72 meses), e você pode começar a pagar após os primeiros 12 meses. A consulta de taxas e condições deve ser feita com os dois bancos participantes: Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil. 

Leasing

O Leasing é um sistema de arrendamento mercantil. Este financiamento funciona como uma espécie de aluguel com opção de compra. O prazo mínimo de pagamento de 24 a 36 meses, variando de acordo com a vida útil fiscal do bem arrendado. Você escolhe a forma de pagamento mais adequada ao fluxo de caixa da sua empresa.

O arrendamento cobre até 100% do valor dos bens novos. Há a possibilidade de redução da base de cálculo do Imposto de Renda no caso de enquadramento no Lucro Real. Não há incidência de IOF. As contraprestações são lançadas como despesa operacional e os encargos prefixados ou pós-fixados têm base  no CDI, negociados a cada operação. Consulte o banco de sua preferência para obter informações sobre juros.

CDC 

No CDC (Crédito Direto ao Consumidor), o custo pode ser maior do que o do leasing por conta da incidência do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). Você pode antecipar prestações do financiamento que ainda não venceram para obter desconto nos juros, se precisar. Cada parcela da prestação fixa mensal é formada por uma parte em amortização da dívida e outra em juros. Esse sistema de amortização se chama Tabela Price e também é usado no leasing. O prazo pode chegar a até 72 meses. Consulte um banco de sua confiança para saber mais.

* Este conteúdo também utilizou informações fornecidas pela fabricante Prática.