Como a chegada da pandemia de coronavírus está transformando o mercado e mudando a forma de inovar das empresas? Para debater essa questão, a Ultragaz promoveu, no dia 15 de junho, o webinar “Inovações nos negócios e transformações no mercado pós-Covid”. O debate contou com a participação de Ana Paula Coria, Diretora de Administração e Controle da Ultragaz, Marina Almeida, Head do Natura &Co Innovation Lab, e Célia Kano, Diretora da Rede Mulher Empreendedora.

Para conferir este webinar na íntegra, basta clicar aqui.

Em maio, foi lançado o Desafio Ultragaz de Inovação Aberta. Será premiada e contratada uma solução criada por empresa júnior que contribua com negócios de segmentos altamente afetados pela pandemia. As empresas inscritas têm até 17 de julho para enviar uma proposta de solução. Ana Eliza Vairo, Consultora de Desenvolvimento de Produto da Ultragaz e moderadora do debate, destacou que as questões abordadas no webinar podem inspirar o desenvolvimento de ideias que ajudem os pequenos negócios mais afetados pela crise.

As participantes falaram sobre mudanças realizadas dentro das organizações que trabalham. Também analisaram como a chegada da pandemia afetou negócios de empreendedores, startups e empresas que elas acompanham.

Ultragaz: comodidade e segurança na pandemia

Ana Paula Coria contou que chegou à Ultragaz há três meses, já durante o período de pandemia, vinda de outra empresa do grupo para assumir a área de Administração e Controle. Como a sua área é responsável também por operações de Tecnologia da Informação, atuou para acelerar mudanças para que as equipes administrativas pudessem ter mais estrutura para o trabalho remoto, que estava em estudo, mas ainda não era realizado na empresa.

Agora, a companhia entende que o home office veio para ficar. A companhia já está repensando o layout do escritório, das salas de reunião e da estrutura de TI para, no retorno, ter a possibilidade de parte da equipe atuar presencialmente e parte, remotamente.

Do ponto de vista dos negócios, a Ultragaz intensificou o acompanhamento dos indicadores financeiros e da demanda de seus clientes. O comportamento nos segmentos domiciliar e empresarial – que reúne indústrias, comércio e setor de serviços – foi bastante distinto. “No domiciliar houve um incremento de vendas forte porque as pessoas estão mais em casa, consumindo mais. Por outro lado, o segmento de small business, que reúne restaurante, hotéis e pequenos comércios, entre outros, teve uma redução de demanda bastante expressiva, de 30% a 35%.” Ana Paula afirmou, ainda, que já está sendo notada uma lenta retomada de atividades para os negócios.

A diretora destacou as ações realizadas para as revendas Ultragaz, outro público muito relevante para a empresa. “Para os revendedores, que são nossos parceiros de negócios, trabalhamos muito a comunicação e oferecemos apoio, inclusive disponibilizando kits com material de higiene, para que tivessem tranquilidade para atravessar esse momento.”

Dentre as medidas realizadas com o intuito de oferecer comodidade e segurança aos clientes, Coria destacou o lançamento de um aplicativo para que os clientes agendem e comprem botijões sem sair de casa. Além disso, passou a aceitar pagamento com o auxílio vindo do governo. Também lançou o Boleto Rápido para cliente empresarial fazer pagamento com mais facilidade.

Natura: apoio a startups e consultoras

Marina Almeida explicou que o Innovation Lab está à frente das ações de inovação da Natura &Co, que, além da Natura, detém as marcas Aesop, Avon e The Body Shop. A área é responsável pelo Natura Startups, porta de entrada para empreendedores que querem se relacionar com a empresa. “Nosso foco é fechar negócio com os empreendedores para acelerar a inovação. Buscamos na organização oportunidades para plugar startups e empreendedores para crescermos juntos.”

A área desenvolveu um plano de ação para apoiar os empreendedores, incluindo desde iniciativas para proteger o caixa até a extensão de ações desenvolvidas para colaboradores para as startups. Muitas dessas ações foram voltadas ao equilíbrio e à saúde mental, como sessões de meditação e subsídios para atendimento psicológico online.

Marina contou que a empresa já vinha se digitalizando desde 2012, mas a chegada da pandemia acelerou muitos projetos que estavam em andamento.  A Natura disponibiliza espaços virtuais de vendas às consultoras. Nesse modelo, a consultora faz o atendimento e a venda; já o pagamento e a entrega são feitos pela Natura. A empresa fechou 2019 com 680 mil espaços digitais abertos. Com a pandemia, a Natura bateu mais de 1 milhão de espaços virtuais em maio.

Ela conta que a empresa identificou um aumento de vendas de produtos voltados a cuidados pessoais. “Houve um movimento interessante dos clientes que, por estarem em casa, passaram a dar importância ao momento de autocuidado. Vimos um incremento em vendas de produtos dessa linha, além de higiene pessoal.”

RME: orientações financeiras e apoio psicológico

A Rede Mulher Empreendedora (RME) é uma plataforma que faz capacitação, mentoria, aceleração e projetos de geração. O Brasil tem 24 milhões de empreendedoras. “Empreender é para muitas mulheres a possibilidade de realizar sonhos. Ao gerar renda, muitas conseguem sair de situações de violência doméstica e ajudam a construir comunidades e famílias mais saudáveis e prósperas”, destacou Célia Kano.

Ela afirmou que a chegada da pandemia foi um dos momentos mais tristes que vivenciou na Rede. A organização recebeu muitos contatos de empreendedoras desesperadas por acreditarem que seus negócios não iriam sobreviver e que não teriam como alimentar seus filhos. “As mulheres da base da pirâmide foram as mais atingidas porque muitas precisavam vender seus produtos na rua.”

A Rede Mulher Empreendedora, que sempre realizou seus atendimentos presencialmente por entender que nem todas as mulheres têm acesso à internet para participar de atividades online, precisou migrar para o digital, única alternativa disponível durante a pandemia.

No primeiro momento, buscou apoiar as empreendedoras no fluxo de caixa. Elas receberam orientações sobre renegociação de dívidas, gestão de risco e busca de crédito. Na fase seguinte, o foco foi ajudar na busca de inovações dos produtos e modelos de negócio e trabalhar a questão emocional. Célia destaca que a pandemia está sendo um retrocesso na busca pela igualdade das mulheres. Ficando em casa, muitas estão sofrendo violência doméstica e sofrem mais com a jornada dupla, acumulando trabalho e serviços domésticos.

A gestão das mulheres na pandemia

Aproveitando que o grupo de debate era composto apenas por mulheres, a moderadora convidou as participantes a fazer uma reflexão sobre o desempenho das mulheres na gestão durante a pandemia.

Ana Paula destacou que a liderança feminina é um diferencial porque as mulheres têm uma leitura de ambiente mais aguçada. “Neste momento que pegou o mundo todo de forma tão abrupta, buscar entender como está o outro, quais são suas carências e que tipo de estímulo essa pessoa precisa faz toda a diferença.” Célia complementou que, enquanto o homem é incentivado desde a infância a prover, a mulher é incentivada a cuidar.

Para Marina, a mulher vê além do que é óbvio. Isso foi notado quando elaboraram o plano para mitigação dos impactos da Covid para startups. “É logico que ajudar a blindar o caixa e não quebrar é fundamental. Mas o olhar feminino trouxe também a preocupação com cuidar das pessoas, oferecendo apoio psicológico, por exemplo.”

Continue acompanhando as novidades sobre impactos da pandemia do coronavírus e alternativas encontradas pelas empresas em nosso Especial Covid-19.