Bares e restaurantes fazem parte do grupo de oito segmentos prioritários definidos pelo governo de SP para o momento de flexibilização das medidas restritivas impostas para conter o avanço do coronavírus. Os outros são beleza, academias, shoppings, lojas de rua, concessionárias, escritórios em geral e atividades imobiliárias. Eles foram destacados em um levantamento feito pela Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) que considera o impacto causado pela pandemia do coronavírus no PIB de 67 setores. Clique e leia a reportagem completa.

Enquanto isso, empresários do país todo estruturam alterações nos negócios para quando o momento da reabertura de bares e restaurantes. No caso dos buffets, um caminho que surge como opção é manter funcionários em um dos lados da pista do buffet com acesso aos alimentos servindo os clientes, que, do outro lado, indicariam suas preferências. A alteração reduz o manuseio dos talheres de servir, a proximidade dos clientes com os alimentos e entre si. A inclusão de placas de proteção em acrílico na frente dos recipientes onde estarão as comidas é outra alternativa que ganha adeptos.

Cardápios plastificados também são uma alteração em curso. Dessa forma, poderão ser facilmente higienizados após cada uso. Guardanapos de pano devem entrar na gaveta por tempo indeterminado, dando espaço aos modelos descartáveis.

Há ainda restaurantes que irão atender apenas clientes com reserva. Dessa forma, evitarão a formação de aglomerações na porta ou sala de espera, reduzindo as chances de contaminação do coronavírus. Para conhecer mais iniciativas, clique aqui.

---------

Durante a crise do coronavírus, a Ultragaz está selecionando notícias de interesse de estabelecimentos de alimentação fora do lar. Confira todas as notícias e também o conteúdo sobre o tema desenvolvido especialmente para o canal em www.ultragrazempresas.com.br/especial-covid-19