O GLP é uma ótima alternativa de energético para abastecer os condomínios em função da rede de distribuição, que cobre todo o território nacional, de sua eficiência térmica e por oferecer diversas conveniências, como a possibilidade da medição individualizada nas unidades. A instalação de uma central de GLP em condomínios, seja de casas ou de prédios, é uma opção segura e que oferece a comodidade do fornecimento do gás a granel. O abastecimento é feito de forma programada, o condomínio não precisa se preocupar com o estoque e só paga pela quantidade consumida.

Mas quais são as adequações estruturais necessárias para a instalação de uma central de gás GLP no condomínio? E como funciona cada etapa até a obtenção da autorização para a central funcionar?

Fernando Angelo Cerqueira, coordenador de instalações da Ultragaz, explica quais são as seis etapas fundamentais que devem ser realizadas para ter GLP no condomínio e o que é feito em cada uma delas. O processo é rápido e a Ultragaz coordena todas as etapas, atuando como consultora e apoiando o síndico do condomínio.

1. Visita técnica

Neste primeiro momento, o consultor da Ultragaz avalia se o cliente possui espaço adequado para a instalação da central de GLP que atenda a NBR 13523, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), e a Instrução Técnica 28 do Corpo de Bombeiros. Verifica também a frequência e o giro da logística na região para definir a quantidade de vasilhames a serem instalados.

Essa análise permite indicar ao condomínio se será necessário construir o abrigo em alvenaria ou se a Ultragaz irá fornecer o abrigo pré-moldado (Ultrapronto). Após a definição da localização e quantidade de vasilhames respeitando segurança e frequência de abastecimento, é feita uma proposta comercial que já contempla as condições contratuais.

Quando necessário, o departamento de instalação industrial também visita o condomínio para fazer a checagem dos pontos destacados pela consultoria comercial e esclarecer dúvidas em projetos atípicos que necessitam de apoio técnico. A Ultragaz realiza as visitas e indica empresas terceirizadas para a realização de obra civil, mecânica e elétrica caso necessário.

LEIA TAMBÉM: Gás GLP no condomínio: síndicos apontam diferenciais da Ultragaz

2. Preparação das áreas da central e de abastecimento

A definição do tamanho da área necessária para a instalação da central de GLP no condomínio depende do consumo do cliente e do giro logístico. A central deverá atender as normas mencionadas no item anterior, que determinam afastamentos de segurança, como por exemplo 3 metros para portas, janelas e pontos de ignição. Também deve estar sempre em área externa e a edificação deve ser aberta e ventilada, com acesso fácil para movimentação dos vasilhames de GLP e para passagem da mangueira de abastecimento.

É necessário prever uma área adequada para a logística de reabastecimento, que também é indicada pela empresa fornecedora. Esse espaço deve ser externo, com edificação aberta e ventilada e não possuir aberturas e pontos de ignição, atendendo a NBR 14024. 

3. Montagem da central

A etapa seguinte é a montagem da central dentro das condições de segurança. A Ultragaz pode assumir toda a instalação, a partir da negociação com o condomínio. A empresa oferece a possibilidade de montar uma central pré-moldado, o Ultrapronto. Também é instalado o coletor com regulador de pressão e o vasilhame de GLP 40% abastecido para a realização dos testes e da instalação da tubulação.

4. Teste de segurança

Antes de autorizar o primeiro abastecimento, a fornecedora de gás realiza o teste de estanqueidade, exigido legalmente, que verifica, por meio da pressurização de ar comprimido na tubulação por determinado período de tempo, se há vazamento na rede. O cliente acompanha o teste. A aprovação resulta no Registro de Teste de Estanqueidade, o “voucher” para o primeiro abastecimento. Em caso de reprovação, são feitos os reparos necessários para novo teste.

O processo de abastecimento é feito com um caminhão específico para o transporte de GLP, que completa o nível de cada cilindro utilizando uma mangueira e uma conexão especial sem interromper o fornecimento.

5. Interligação

Após a realização do teste, são feitas as interligações, primeiramente do vasilhame com o coletor e depois dos pontos dos equipamentos abastecidos a gás. É neste momento que ocorre a abertura da válvula para a saída de gás do vasilhame para a tubulação.

6. Finalização e treinamento

A Ultragaz realiza um treinamento no condomínio para fim de explicar o funcionamento da central GLP e os procedimentos de segurança para cada situação.

A empresa fornece o projeto de localização da central e ART (Anotação de Responsabilidade Técnica) do engenheiro responsável pelo projeto para o condomínio apresentar ao Corpo de Bombeiros durante a vistoria. O Corpo de Bombeiros avalia a área em que a central foi projetada e montada, a documentação, a proteção da central com os extintores e rotas de fuga.

Além desses itens diretamente relacionados à aprovação da central de GLP no condomínio, a Ultragaz avalia outros pontos do condomínio como sistema de combate a incêndio e a formação de brigada de incêndio.

Quer contar com os benefícios e facilidades do GLP em seu condomínio? Entre em contato com a Ultragaz e agende uma visita gratuita!