A pandemia de coronavírus chegou à Cervejaria Lund em um momento de pleno crescimento. A cervejaria artesanal, com sede em Ribeirão Preto, interior de São Paulo, existe há dez anos. Em maio do ano passado, foi adquirida de seus fundadores pela Holding BGF Alliance, que chegou com planos de modernização. O grupo está no mercado cervejeiro há 30 anos e tem em seu portfólio uma fabricante de equipamentos para cervejarias, uma indústria de manutenção em usinas, um comércio de materiais industriais de inox e um CDCA (Centro de Desenvolvimento Cervejeiro e Alimentício).

Com a aquisição da Lund, a planta foi ampliada, triplicando a capacidade de produção. Quando o estado de São Paulo entrou em período de quarentena, a cervejaria tinha acabado de inaugurar seu segundo bar próprio na cidade vizinha de Sertãozinho. O espaço, denominado Mata do Leão em referência ao animal estampado na logomarca da Lund, ficou aberto ao público apenas uma semana.

Breno Garrefa, diretor da Lund, conta que foi necessário fazer adaptações na gestão e buscar novos canais de vendas para enfrentar o período de isolamento social causado pela pandemia. Com o fechamento de seus dois bares próprios – além da Mata do Leão, a empresa mantém uma unidade em Ribeirão Preto – e também dos pontos de venda onde era comercializado o chope da marca, a empresa começou a vender produto em pet growlers de um litro.

Para isso, montou drive thru em suas duas unidades e incentivou a venda nesse modelo em bares e restaurantes parceiros da região. A empresa reforçou a estratégia de divulgação, especialmente nas mídias sociais. Também passou a vender o chope por delivery por meio do aplicativo Goomer Go.

Ouça a entrevista com Breno Garrefa, diretor da Lund.

Estratégia e gestão

O diretor da marca explica que foi necessário ajustar a estratégia comercial para enfrentar o período de pandemia. A cervejaria está produzindo aproximadamente 40% a menos do que a média. Ainda assim, é uma redução menor do que a vivenciada no mercado de cervejarias artesanais. Muitas empresas chegaram a paralisar a produção nesse período.

Também conseguiu manter todo o seu quadro de funcionários. Para isso, foi necessário reduzir a margem de lucro. “Fizemos uma aposta em manter a produção e reduzir nossa margem porque acreditamos que isso vai nos ajudar na retomada. E achamos que está dando certo.”

Ele acredita que as novas estratégias comerciais continuarão a ser utilizadas mesmo com a reabertura dos bares. “Tudo o que criamos agora durante a pandemia deve ser mantido. O hábito de consumir em casa deve permanecer por muito tempo ainda.”

Modernização e automação

Com a aquisição da Lund pela Holding BGF, a empresa investiu na modernização da produção. “Quando assumimos, sabíamos que tínhamos um ótimo produto e uma cervejaria bem equipada. Mas a planta tinha dez anos e carecia de ajustes”, explica Garrefa.

A busca por melhoria de eficiência se mostrou especialmente importante com a chegada da pandemia. No início de 2020, a Lund instalou a Ultrasolução Cervejarias, solução de automação oferecida pela Ultragaz e focada na etapa de brassagem da cerveja. Para ele, as principais vantagens da automação foram a padronização do produto e os ganhos de tempo e de produtividade.

A Ultrasolução Cervejarias, lançada em 2019, permite implementar controles de tempo, temperatura e transferência entre vasos, mantendo todas as características da receita original. Possibilita também ajuste dos parâmetros do processo de produção de cada tipo de cerveja por meio do cadastro do portfólio de receitas de cada fabricante. Além disso, possibilita reduzir o tempo de produção e o consumo de insumos.