1. "O gás encanado chega a todos os lugares, o GLP não". 

O gás encanado, transportado pelo Gasoduto Bolívia-Brasil, é e comercializado com exclusividade pelas concessionárias estaduais. Ele não cobre a 100% do território nacional. O gás natural sequer abastece totalmente a área metropolitana de São Paulo.  Pela praticidade de transporte em caminhões, o gás GLP em restaurantes e bares cobre todo o território nacional e atende democraticamente a domicílios, comércio, ao setor de serviços, agronegócio e indústria. Ele está disponível em vasilhames de diferentes portes, pensados para cada negócio e faixa de consumo.

2. "O gás GLP pode me deixar na mão por falta de abastecimento". 

Quando fornecido por uma empresa séria como a Ultragaz/Brasilgás, o gás GLP nunca te deixará na mão. Você receberá uma consultoria especializada para garantir o abastecimento contínuo, a qualidade do gás e as manutenções técnicas necessárias.

Ao contrário do gás natural e da energia elétrica, cujo abastecimento pode estar sujeito a falhas devido a obras e panes, você poderá contar com um sistema exclusivo de entregas programadas de GLP em restaurantes e bares, pagando apenas pelo que consumir.

VÍDEO:  Boteco do Caranguejo, com 9 unidades em Salvador, não fica sem gás GLP nem no auge do carnaval da Bahia! 

3. "A instalação de gás GLP é complicada e vai me dar trabalho demais". 

A instalação da central de gás GLP em restaurantes e bares fica a cargo da empresa fornecedora, não do cliente. Cabe à empresa apresentar um projeto de instalação customizado e seguro, com assinatura de um responsável técnico habilitado. No caso da Ultragaz/Brasilgás, o cliente pode visualizar o projeto no momento da visita técnica por meio do tablet do consultor.

Saiba mais:
Segurança em Gás GLP: veja regras para bares e restaurantes
Onde instalar o gás GLP no meu bar ou restaurante?

4. "O gás GLP em restaurantes custa mais caro que o gás encanado e a energia elétrica".

Mais uma vez, é exatamente o contrário. Por depender de tarifas ligadas ao monopólio das concessionárias estaduais, o gás natural tem custo muito alto para pequenas empresas e mais acessível somente em larga escala.

Além do mais, o gás natural é vendido a Kcal/m³. As variantes são pressão, temperatura e uma parcela de consumo mínimo mensal para compor o custo final. Já o gás GLP em restaurantes é vendido a Kcal/Kg, com preços mais flexíveis. Isso porque existem diferentes empresas no mercado.

A energia elétrica também é cara, ainda mais considerando gastos com iluminação dos ambientes e com aparelhos como geladeiras e freezers. Fornos e fogões a gás são mais econômicos e estão disponíveis em linhas cada vez mais modernas. Que tal fazer as contas e optar por eles?

5. "Botijões de gás GLP são perigosos"

Produção, comercialização e transporte do GLP seguem as normas de segurança da Agência Nacional do Petróleo (ANP). A instalação de gás GLP em restaurantes e bares segue o estabelecido na NBR-12 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e nas regras do Corpo de Bombeiros. Entre as regras estão a distância mínima de 3 metros entre o abrigo de gás e qualquer fonte de ignição.

Contando com uma boa empresa fornecedora e seguindo as normas de segurança, não há nenhum problema com o gás GLP em restaurantes e bares. A Ultragaz entrega tudo pronto para você. Solicite já sua visita técnica!