As novas tecnologias na pecuária leiteira têm sido um fator decisivo para o crescimento da produtividade e para o aumento da rentabilidade das fazendas. Hoje existem soluções com potencial para acelerar processos e reduzir custos em quase todas as etapas da produção, com especial destaque para aquelas capazes de melhorar a ordenha e a saúde do rebanho leiteiro.

Sendo a ordenha o momento decisivo para garantir uma boa produtividade, é importante investir em soluções que melhorem sua performance ou que tragam significativa redução de custos. Por outro lado, de nada adianta ter a melhor tecnologia para uma ordenha produtiva se o rebanho não estiver saudável.

Neste blog post, vamos abordar 4 inovações que podem ajudar sua fazenda a produzir melhor e com mais rentabilidade, garantindo ganhos para a qualidade de ordenha e para a saúde do rebanho. Leia a seguir!

1. Ordenha robotizada

A ordenha robotizada eleva o nível de automação do processo de produção de leite, reduzindo a necessidade de mão de obra, aumentando a produtividade e a rentabilidade. Esta tecnologia funciona dentro de uma dinâmica mais ampla do que a ordenha propriamente dita, pois engloba o espaço de descanso e alimentação das vacas.

Nesse sistema, as vacas em lactação se dirigem por vontade própria até o local da ordenha quando sentem necessidade de extrair o leite. Uma vez posicionadas, braços mecânicos localizam automaticamente os tetos, realizam a higienização prévia da ordenha, conectam o tubo de ordenha, interrompem o processo no momento certo e fazem a higienização final.

Esse processo garante maior produtividade, pois reduz o estresse da vaca, permite mais ordenha por dia para cada uma delas, reduz o tempo total de ordenha e permite acompanhamento da produtividade em tempo real por meio de relatórios com dados e estatísticas.

Leia também:
Como aumentar a produtividade em fazendas de leite?
3 dos principais custos da fazenda leiteira e como reduzi-los
Energia elétrica em fazendas de leite: custos, desafios e soluções

2. Análise eletrônica da qualidade do leite

O processo de análise laboratorial de amostras do leite costuma ser demorado, envolvendo tempo e custos de logística. Com a tecnologia de análise eletrônica, esse processo pode ser agilizado e ter seus custos reduzidos.

Trata-se de um equipamento capaz de avaliar rapidamente a conformidade, composição e estabilidade de amostras de leite cru. Além de avaliar a qualidade do leite sob diversos aspectos, esta tecnologia oferece informações para avaliar as condições de cada vaca do rebanho, como sua condição nutricional e a presença de mastite, por exemplo.

Assim, é possível avaliar rapidamente:

  • Estabilidade térmica, fundamental para avaliar a resistência do produto a tratamentos térmicos, como a pasteurização;
  • Índice de degradação da amostra, que demonstra o quanto o leite está degradado em função da Contagem Bacteriana;
  • Indicador de mastite clínica e subclínica;
  • Principais indicadores de composição centesimal, tais como: gordura, proteína e lactose.
Banner Comparativo

3. Energia solar para a ordenha

A terceira inovação dessa lista é a solução Ecofarm, uma solução de energia fotovoltaica desenhada especialmente para fazendas de leite, com foco na redução de custo e com um formato de aquisição também inovador.

É uma solução que utiliza avançada tecnologia fotovoltaica para alimentar a unidade de produção de leite, incluindo ordenha, tanques de resfriamento e beneficiamento. Com isso, ao longo do tempo, proporciona uma redução drástica nos custos da fazenda com energia elétrica.

Outra inovação é o formato personalizado de pagamento do Ecofarm. Cada fazenda que adotar a solução não precisará recorrer a financiamentos burocráticos das linhas de crédito rural. A Ultragaz desenvolveu um formato que favorece o pagamento, que será inicialmente baseado no histórico de consumo, sendo reduzido anualmente até a quitação de todo o equipamento, que é quando se atinge o máximo de economia.

4. Tecnologia para identificação precoce de mastite

Como todo produtor de leite sabe, a mastite é um dos males que mais afeta a saúde do rebanho leiteiro e prejudica  a produtividade. Para auxiliar no combate a esse mal, a Fapesc (Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação de Santa Catarina), em parceria com o Sebrae, vem desenvolvendo uma tecnologia capaz de identificar a doença em seu estágio precoce.

Trata-se de um dispositivo que, inserido nas ordenhadeiras, realiza análises em amostras de leite, nas quais pode-se identificar a presença de células somáticas. Ao realizar a contagem dessas células, o dispositivo emite um alerta no caso do resultado indicar que há indícios da infecção. Dessa forma, o produtor pode agir com rapidez no tratamento, evitando o agravamento do quadro e garantindo a boa saúde de seu rebanho.

Investir em tecnologia e inovação sempre traz ganhos para a produtividade. O segredo é avaliar as opções, conhecer seus benefícios, suas vantagens e escolher a que melhor se adapta às necessidades da fazenda. Nesse sentido, buscar meios de melhorar a ordenha e a saúde do rebanho leiteiro é sempre um caminho para enxugar custos e ter mais rentabilidade.

Pedido de visita